O grande erro dos Homens (que pensam que são) de ferro

O objetivo de organizar e planejar o trabalho é sentir-se mais relaxado, criativo e feliz. A idéia é conseguir tirar da cabeça os pensamentos e transformar (o que realmente valer a pena) em realidade. A intenção, geralmente, é realizar sonhos, ser reconhecido pelos seus talentos únicos e oferecer ao mundo o melhor que você tem, através de um trabalho profissional e responsável. Onde erramos?

O primeiro erro mais comum é acreditar que métodos de organização só servem para quem trabalha no escritório, num modelo tradicional de trabalho, ou ainda, que apenas tarefas de “trabalho” merecem ser planejadas, que o resto pode ir indo com a vida, no modelo: deixa a vida me levar. Mentira! Tudo o que vale a pena ser feito na sua vida é o seu trabalho, para começar. (Senão peraí vamos falar de propósito de vida?) E cada vez mais trabalhamos em cafeterias, através de vídeos conferências, do aeroporto ou de casa. Uma dona ou dono de casa tem muito trabalho e estratégias de produtividade devem contemplar as compras de supermercado e as consultas ao dentista. Elas podem tornar a vida de muitas mulheres e homens mais fácil, leve e interessante; em todos os aspectos da vida, não apenas dentro do escritório.

Nosso maior erro é tentar analisar, criticar e encontrar a solução, ao mesmo tempo em que as informações chegam, sejam vindas do correio, por e-mail ou ideias que vem da nossa própria mente. Precisamos aprender a praticar o conceito de mindfulness no nosso trabalho. Uma coisa de cada vez.

Então, todo trabalho precisa entrar na dança. Não deixe nada de fora, não tente dispensar uma tarefa da sua lista oficial, porque ela não vai deixar de existir, não tente fazer tudo ao mesmo tempo. Primeiro, tire da mente, sem analisar. Se você cuida da sua avó que é idosa, colocar as tarefas correspondentes a esse compromisso no papel é importante. Porque se você não colocou no papel, elas estão em algum lugar. E só pode ser aonde? Sim, bem aí, fervendo os seus neurônios, dentro da sua cabeça. Agendar o barbeiro? Também vale a pena tirar da cabeça.

Tudo que merece ser pensado merece sair da sua cabeça. Depois, depois… Depois, no outro momento, você decide se vai mesmo comprar um cachorro ou pedir a sua namorada em casamento. Mas se isso está aí martelando, coloca num papel (ou e-mail ou dispositivo eletrônico) e deposita. Tira da mente.

David Allen chama essa atividade de coleta. Erramos na coleta porque queremos organizar antes de coletar. Queremos decidir se aquilo é importante antes de escrever no papel. Queremos fazer duas coisas ao mesmo tempo porque a convivência com máquinas deixa-nos confusos. Esquecemos que só podemos fazer uma coisa bem feita de cada vez. Desculpa, eu uso o conceito multi-tarefas em análise comportamental, está na bibliografia. Mas pessoas não são multi-tarefas, computadores são. Se alguém diz que você é multi-tarefas, amigo, isso não devia ser elogio.

Na prática, quando você lembrar de uma coisa, arranca da cabeça sem analisar, criticar ou refletir muito. Lembrou, escreveu. Em outro momento, analise todas as tralhas que lançou fora da sua mente, para que ela pudesse ficar limpa como água cristalina e ser capaz de executar seu trabalho do momento presente com maestria.

Defina suas caixas de coleta e tenha o menor número possível delas. Eu tenho uma caixa física encima da mesa e uma caixa de entrada do e-mail. Envie uma tarefa por e-mail. Nada de enviar um e-mail contendo vinte tarefas. Se você fizer isso, tenderá a lidar com as vinte de uma vez, quando abrir aquele e-mail. Admita que você pensou em uma coisa de cada vez, mas acha que vai economizar tempo parado pensando em frente a tela do celular, no que mais você pode colocar ali. Mas que praga da modernidade achar que sempre o muito é melhor né?

Então vamos a um plano de coleta?

1- Defina as suas caixas de entrada ( quanto menos você precisar, melhor) e coloque tudo lá: Cheque suas bolsas, pastas, gavetas e caixas de e-mail. Coloque tudo nas caixas que definiu. Por exemplo, uma caixa física e um endereço de e-mail.  E principalmente, cheque a sua psique. Há tarefas, idéias, planos morando aí? Esvazie também o cabeção.

2-Seja eficiente na coleta: Uma tarefa por vez. Lembrou? Não espera vir mais alguma coisa. Despacha logo, filho de Deus. Pensa muito não.

3-Esvazie suas caixas de entrada regularmente. Nada de construir um limbo. Defina a data e a hora da faxina.

E então? Vamos começar? Não espere o momento perfeito. Não espere ter todo tempo do mundo. Comece agora, com o que tiver. Você vai melhorando enquanto executa. No próximo post falaremos do processamento, de como lidar com toda essa tralha.

Vamos juntos, um passo de cada vez!

Vamos viver com esse nosso jeito humano, imperfeito de ser. Deixemos para o cinema os homens máquinas.

Os homens de ferro. Por aqui, muito sangue, pele e limitações. E que bom que somos assim.

Um beijo e ótimo trabalho!

6 Comentários
  • Paula
    Publicado às 16:48h, 08 agosto

    Utilidade pública! Amando esses textos.

    • Carol Dutra
      Publicado às 17:23h, 08 agosto

      Obrigada minha querida!

  • Mariza
    Publicado às 17:20h, 08 agosto

    Delícia de ler, delícia esse bom humor!

    • Carol Dutra
      Publicado às 17:23h, 08 agosto

      Obrigada pelo carinho! Delícia esse seu comentário!

  • Raquel Barros
    Publicado às 19:59h, 16 agosto

    Muito interessante, gostei!! Bjs

    • Carol Dutra
      Publicado às 00:35h, 17 agosto

      Obrigada pelo carinho! Fico feliz que tenha gostado. Bjs