Para tudo o que você precisar

Para a palavra, existe o silêncio.
Para a resistência, existe a paciência.
Para a dor, existe espaço.
Para mim, existe você.

E para você, existe vida.
Esperança.
Alegria.
Gozo.

O inusitado, o inesperado, o imerecido e conquistado.
Não por mim.

A vida é uma pergunta.
Só responde quem não se esquiva.
Vem comigo?

Poesia escrita para uma cliente no início de um processo de coaching, no qual, muitas vezes, emoções e compreensões sobre quem somos geram raiva, medo, insegurança e frustração. Talvez não sejamos tudo aquilo que imaginávamos. Ou talvez nossos erros sejam explicáveis, mas não justificáveis. Talvez tenhamos nos apaixonado por uma versão nossa que é fantasiosa, que nos consola e seduz, mas nos amarra ao passado e ao erro constante, nocivo e repetitivo.

Pode ser que fiquemos um pouco irritados. E isso pode ser ótimo.

Que a sua irritação te impulsione a buscar a verdade e que você perceba que na verdade mora a força, e que ser quem é é muito melhor do que pensar ser o que parece bom. Porque ser de verdade  é viver, é sentir, fazer e experimentar. Enquanto pensar ser é uma fantasia: sem sabor, sem alegria e sem lealdade.

Fique muito irritado e prove para o mundo que a sua versão autêntica é boa o bastante e que ela veio para ficar. Apenas atualizações são aceitas.

Um beijo![/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

4 Comentários
  • Giulianna Scarpati
    Publicado às 19:08h, 27 setembro Responder

    Amei a reflexão de todos os erros serem explicáveis, não necessariamente justificáveis, Carol ^^

    • Carol Dutra
      Publicado às 16:18h, 29 setembro Responder

      Obrigada Giulianna! É preciso calma, solidariedade e generosidade. O que não quer dizer conivência com o erro, certo? Vamos juntas!

  • Raquel Barros
    Publicado às 20:17h, 27 setembro Responder

    Linda poesia!!! Que vc continue sempre com essa inspiração , nos encantando com sua doçura!! Bjs

    • Carol Dutra
      Publicado às 16:19h, 29 setembro Responder

      Amém! Obrigada pelo carinho constante Raquel!

Escreva um comentário